Monday, December 6, 2010

Usando lixo para construir escolas

Antes de mais nada gostaria de lhes trazer uma palestra (via canal TED) sobre a situação do lixo nos oceanos.Para acionar as legendas em português, cliquem por favor em “view subtitles”. Uma janelinha se abrirá e vocês poderão escolher o idioma

Charles Moore fala sobre os oceanos de plástico




Depois de ver o lado escuro da coisa, gostaria de deixar uma luz no túnel.
Para isto venho lhes mostrar o trabalho da entidade “Hug it Forward".


Estou adicionando um outro video, onde se pode ver também a eliminação dos sacos plásticos.




“Hug it Forward (Passe o Abraço Adiante)” é uma entidade sem fins lucrativos baseada em San Diego cuja missão é englobar mudanças intangíiveis com mudanças mundiais tangíveis para um único propósito: unir as pessoas como um todo. A mudança intangível é fornecida através do poder cientificamente comprovado dos abraços. A mudança tangível é fornecida pelo empoderamento das comunidades em se unir, trabalhando em conjunto para um objetivo comum, ou seja, proporcionar escolas construídas a partir de lixo. “Escolas de garrafa”.
Desta forma o custo de cada escola  fica em torno de US$ 9.000,00.
Existem várias maneiras de ajudar este projeto: doações, voluntariado ou enviando abraços através do site, o qual possui uma tecnologia de rastreamento. Para cada abraço que você envia (através do site), os patrocinadores doam  25 cents para financiar as escolas de garrafa.

Até o presente momento já foram construídas 5 escolas na Guatemala.

Gostaria de ressaltar que além da construção das escolas de garrafa, também é proporcionada uma educação ambiental para as crianças.
Para muitos o trabalho pode parecer uma gota no oceano, mas sem ele certamente os oceanos estariam muito mais sujos (baseado no pensamento de Madre Teresa de Calcutá).

Parabéns "Hug it Forward"!
Que vocês possam construir muitas outras escolas de garrafa. 


Saturday, November 6, 2010

Educação Humanitária: respeito a todas as formas de vida


“(...)Todos nós desejamos ajudar uns aos outros.
Os seres humanos são assim.
Desejamos viver para a felicidade do próximo -
não para o seu infortúnio.
Por que havemos de odiar ou desprezar uns aos outros?
Neste mundo há espaço para todos.
A terra, que é boa e rica,
pode prover todas as nossas necessidades.
O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém nos extraviamos.
A cobiça envenenou a alma do homem ...
levantou no mundo as muralhas do ódio ...
e tem-nos feito marchar a passo de ganso para a miséria e os morticínios.
Criamos a época da velocidade, mas nos sentimos enclausurados dentro dela.
A máquina, que produz abundância, tem-nos deixado em penúria. Nossos conhecimentos fizeram-nos céticos; nossa inteligência, empedernidos e cruéis.
Pensamos em demasia e sentimos bem pouco.
Mais do que máquinas, precisamos de humanidade(... )“
(Charlie Chaplin em seu último discurso no filme “o Grande Ditador”)

"Nós seres humanos, estamos na natureza para auxiliar o progresso dos animais, na mesma proporção que os anjos estão para nos auxiliar.
Portanto quem chuta ou maltrata um animal é alguém que não aprendeu a amar"
(Chico Xavier)

Não há diferenças fundamentais entre o homem e os animais nas suas faculdades mentais... Os animais como os homens demonstram sentir prazer, dor, felicidade e sofrimento”
(Charles Darwin)

“A compaixão universal é a única garantia de moralidade” - Schopenhauer
.
“Amor e compaixão são necessidades, não luxo. Sem eles a humanidade não consegue sobreviver “
“A responsabilidade de todos é o único caminho para a sobrevivência humana."
(Dalai Lama)

Creio que os pensamentos acima refletem bem o trabalho de minha nova amiga Maria Aparecida Negreiros que se empenha por uma educação voltada às nossas faculdades humanas; ou seja, aos valores que trazem a tona o melhor de nós: a compaixão, a solidariedade, o amor universal e o respeito à vida.
Aparecida não só está envolvida na educação das crianças, como também atua diretamente na proteção animal, servindo de grande exemplo para todos nós.
Em sua jornada já salvou cães, gatos e até animais de circo vítimas da crueldade humana. Também realiza trabalhos para a devolução de animais silvestres (vítimas do tráfico de animais) para a natureza e ministra palestras referentes a esta temática.
Como ela mesmo ressalta, o trabalho não é realizado sozinho e sim, em conjunto com outras mãos. Mãos que costumo chamar de “as mãos de D’us”.
Mãos de pessoas dedicadas, cheias de amor que realizam as obras de D’us, ou como muitos chamam, as obras do bem.

Gostaria de lhes mostrar um pouco do trabalho desta grande mulher através de seus dois vídeos.








Para finalizar deixo uma pequena parcela do meu aprendizado aqui na Austrália.
Há alguns meses atrás levei meus filhos para a aula de natação.
Sentei no banco como de costume e fiquei a observá-los.
De repente vi uma barata correndo em volta da piscina.
Uma Sra. que estava sentada não muito distante, se dirigiu ao rapaz que estava arrumando e limpando o recinto (por sinal era um dos instrutores de natação) e lhe disse: “Por favor não a mate”. O rapaz a olhou e ela insistiu: “Não a mate”. E ele não a matou.
Fiquei tão impressionada com a preocupação daquela Sra. em salvar aquela pequena criatura que jamais pude esquecer aquela cena.
Naquele instante me soaram as palavras de Albert Schweitzer e Mahatma Gandhi:

"Quando o homem aprender a respeitar até o menor ser da criação, seja animal ou vegetal, ninguém precisará ensiná-lo a amar seu semelhante"- Albert Schweitzer

“A grandeza de uma nação e o seu progresso moral podem ser avaliados pela forma como trata os seus animais” Mahatma Gandhi

Aparecida, você é um grande exemplo. Que você possa inspirar muitos outros.

Monday, October 25, 2010

As crianças que ensinam

Esta semana me deparei com um vídeo no youtube sobre educação na Índia e fiquei emocionada com o que vi.
Trata-se de um belíssimo programa no qual alunos que atendem a escola ensinam crianças da rua a ler, escrever e noções básicas de matemática. Cada criança ensina 3 outras crianças.
Isto acontece depois da aula ou nas férias.
Durante as férias estas crianças batem na porta de famílias menos privilegiadas e pedem permissão para ensinar (uma hora) às crianças.
Segundo uma colega minha hindu, este programa se dá em todas as escolas.
Lamentavelmente o documentário da BBC sobre esta matéria se encontra no momento apenas em inglês, mas parece que já estão trabalhando para traduzi-lo ou legendá-lo em outros idiomas.
Assim que o fizerem para o português, terei muito prazer em postar aqui para que todos possam ver este maravilhoso trabalho. Vale a pena ver as cenas, mesmo sem compreender o inglês. É comovente.




Espero que o Brasil possa aprender com a Índia.
Nunca é tarde para começar.
E no embalo da Índia, deixo com vocês o pensamento de Gandhi.
"Seja a mudança que você quer ver no mundo."

Friday, October 8, 2010

O menino que mudou o mundo

Obrigada Sai por nos proporcionar este maravilhoso vídeo sobre a vida de Ryan Hreljac, o menino de 6 anos que ao escutar de sua professora que pessoas morriam de sede na África resolveu tomar uma atitude.


Saturday, September 11, 2010

Ajuda a uma borboleta

No dia 2/9/10 minha filha se deparou com nossa gata dando um tapinha em uma borboleta. Imediatamente tirou a gata de perto e me chamou.
Buscamos informações na internet de como tratá-la.
Pudemos constatar que se tratava de um “small white cabbage butterfly” e percebemos que as borboletas viam certas cores. Encontramos também um site onde diziam que estavam alimentando borboletas com uma solução de mel diluído (em água).
Resolvemos experimentar e deu certo. 
Nossa visita imediatamente começou a comer.







Mas aí percebemos que ela não podia voar. As perninhas estavam fracas. Talvez a gata tivesse lhe machucado.
A noite a colocamos no quarto de minha filha em cima de um papelão grande e trouxemos algumas folhas para que ela pudesse dormir. Ela se pendurou na folha e ficou assim por um bom tempo.
A acompanhamos dia a dia pedindo a D’us para que a ajudasse a voar.
Nosso pedido foi atendido na véspera de Rosh Hashana (8/9/10). Quando entrei no quarto de minha filha , a tarde, encontrei a borboleta tentando voar. A levantei rapidamente com a ajuda de uma folha (fiquei com medo que alguém a pisasse ou que a gata a pegasse) e saímos todos para o jardim. Ela ficou lambendo o mel que estava debaixo da folha. Depois deu um voo razo por entre minhas pernas e em volta, perto de meus filhos e parou no chão. Nossa gata estava debaixo do BBQ olhando e eu fiquei com medo que a atacasse e disse para minha filha:
"Talvez ela ainda não esteja pronta para voar".
A levantei novamente com a ajuda da folha para trazê-la de volta para casa, mas desta vez ela nos surpreendeu com um voo em direção ao nosso telhado nos mostrando que já estava prontinha. Que presente de Rosh Hashaná!.
Obrigada meu querido D’us. Eu o amo muito.